Bandeira Vermelha e Negra da FASP

Bandeira Vermelha e Negra da FASP
Bandeira da Federação Anarquista de São Paulo

A Confederação

" Quando a Confederação chegar nenhum muro, casa, apartamento, Status Cow, propriedades, radicais e trabalhos vão separar você de você que sera o carrasco e a vitima de você mesmo.
Por tanto se amem e sejam felizes, pois os bons frutos seram multiplicados e os maus frutos serão punidos em meu jardim.
Estou cansado de ganhar almas de Ingratos que ganharam tudo isto aqui e me prodizem maus frutos no paraizo. "

The Proibid

A Coluna Anarquista Organicista

A Federação Anarquista é a Espinha Dorsal do Anarquismo

terça-feira, 31 de julho de 2012

Autonomismo = Altonomismo




... " O Exercito de um Homem só, todos por Edward " ...




O Altonomismo ou o Alto que nomeia em trocadilho na dica do diabo que da os toques na figura do mauricinho mestre Cebolinha ao Autonomismo Politico de Militância Revolucionaria Anarquista.
O Autonomismo se caracteriza hoje pela relação direta entre o comerciante e o produtor sem a figura do intermediário reduzindo o preço final ao consumidor. A união entre o Produtor e o Comerciante se estabelece em interesse econômico de 50% a cada parte associada ou seja o produtor arca com a produção e os gastos pertinentes a matéria prima e o comerciante arca com os gastos pertinentes a comercialização e alugueis.
Alguns ressem chegados ao autonomismo não compreendem a politica associativa onde um é patrão do outro ou então a figura do patrão não existe e ainda se encontra a estranheza de alguns artesãos em ainda entender porque o comerciante ganha o mesmo que ele que produz. Porem no final do investimento o produtor esta com o dinheiro e o comerciante esta somente com o material produzido, sendo que o dinheiro o produtor escolhe onde investir, mais o comerciante só tem o produto para recuperar o investimento e ganhar dinheiro.
As leis brasileiras facilitam a micro empresa e politicas de alíquotas zero ao pequeno empreendedor. Porem o que interessa ao Anarquismo criando estes postos de trabalho não é só de criar um nível econômico Anarquista e sim de construir uma estrutura de redes de produtores e consumidores e ai o espaço associado do comerciante Espartano a Utopia Anarquista se materializa com experiencias existentes de qualidade realista longe da Utopia que fica distante da pratica revolucionaria.
O autonomismo se qualifica com isto na lei religiosa do talião "Olho por Olho, Dente por Dente", eu ganho como você ganha em igualdade de divisão econômica e cada um com autonomia administrativa arca com as despesas de seu setor econômico sem ter o direito de interferir ou mandar no trabalho do outro e assim o Autonomismo se aproxima do Anarquismo retirando a figura da hierarquia do trabalho e dividindo direitos e deveres iguais sem a figura da autoridade.
O problema que passam os autonomistas é com as figuras do locatário ou de coordenadores em espaços coletivos alugados, esta situação de classe resgata a figura de J. Prodhon sobre a questão da propriedade e resgata uma nova Luta de Classes onde o Contrato Social é pivô de processos jurídicos que deixam em evidencia um setor parasita que lucra com o trabalho dos demais sem sequer trabalhar um único dia e ganhando de 50% dos 50% do ganho do comerciante para muito mais ladroagem parasita capitalista, colocando em Cheque Mate o Mau do roubo e de frente um para o outro; o trabalhador versus o parasita capitalista.
Jessus Cristo ao expulsar os comerciantes do templo deixou claro e em evidencia que neste espaço a figura daquele que não divide o pão existe na figura do aproveitador capitalista que ganha muito mais que o trabalhador sem nada fazer.
O autonomismo passa por um maior problema ganhando o direito de ser seu próprio patrão, mais perdendo direitos de ganhar muito mais em uma empresa trabalhando muito menos e tendo direitos trabalhistas garantidos pela lei, sobrando a luta contratual como manda a lei qual os locatários de espaços coletivos não respeitam e se acham na função de coordenadores o novo patrão destes trabalhadores mandando e desmandando nos fazeres destes e muitas vezes fazendo chantagens econômicas e não pagando rescisão contratual ou não devolvendo cheques assinados e desconsiderando a posse destes documentos privados, desrespeitando o direito privado e ético da relação com a autonomia dos trabalhadores.
Outro problema nesta nova Luta de Classes é a terceirização que resgata a figura do intermediário parasita como o patrão do esquema do serviço ou do repasse do esquema de contratos injustos aos direitos trabalhistas.
O problema mais gritante é a escravidão de carga horaria excessiva de 12 horas a 18 horas não pagas as horas extras dia de velhos e crianças trabalhando em Templos ao Comercio como no caso dos Shopping Center's de São Paulo.
O Autonomismo hoje soma com a luta dos camelos em espaços públicos como ruas e praças, porem esta situação de ilegalidade arrocha a cara destes e gera uma onda Punk cantando a Revolução a São Pedro como o aviso aos navegantes deste tiro na testa de Santa Rita de Cassia  da Resistência Popular Paulista.
A perspectiva do Autonomismo é no momento de conquistar espaços colaborativos uma nova especie de autonomia cooperativista de ajuda mutua antes deste ciclo econômico se fechar. Ou seja ganhar recursos econômicos antes da cobra morder o próprio rabo, porque o filho da luta entre Capitalismo e Comunismo nasceu arrochado e se chama Comunismo Monetário.
Fomos jogados na Resistência sem muito tempo para sonhar com os objetivos de longo prazo da Utopia Anarquista, se vimos na contradição da estrela Vermelha e Negra de CHE, nesta 12º Internacional ou a chamada Internacional Autonomista. Nos sobra agora dizer a ordem:
Ocupar, Resistir e e Produzir !


... " Viram exércitos em meu nome " ...



Texto: 
Eduardo Preto 
Secretario Geral da Federação Anarquista de São Paulo

Anarquismo, Estado Anarquista e Anarquismo de Estado

Anarquismo

Especifismo a organização Anarquista Inglesa

O Anarquismo se reconhece pelas teorias construídas ou sobre as ações dos Anarquistas construídas em sua inserção social em situações das diferentes seções da militância politica ao longo da sua historia e das edificações geográficas nas cidades da utopia libertaria ao contrario daqueles que querem edificar o que ainda não existe, o Anarquismo faz a dissertação central sobre o que existe na realidade social do momento histórico.

Estado Anarquista


Utopia Anarquista de Estado, as legitimas Havaianas

O Estado Anarquista se organiza por Níveis, Frentes, Setores e Seções em atividades diversas sendo Níveis: 1º Nível Estado, composto por famílias e alianças civis e religiosas; 2º Nível Econômico, composto de atividades economicas diversas; 
3º Nível Juridico, composto por proficionais da Areá; 4º Nível Social, composto por Sub-níveis que chamamos de Fretes Locais e Setores; Frentes: 4º.1ª Comunitário ou Barrial; 4º.2ª Estudantil ou Educacional; 4º.3ª Operário ou Laboral; 4º.4ª Campesino ou Rural; 4º.5ª Indígena ou Identificatória regional.
Setores: 4º.6ª Estratégicos; 4º.7ª Táticos.
5º Nivel de Segurança, composto por advogados e agentes sociais; 6º Nível Ideologico, composto por intelectuais e Secretários. Seções: 7º Trabalhos Sociais Realizados de cunho temático como: comunicação, internet, gênero, classe, lazer, cultura, etário, étnico, direitos humanos, veganismo, identidades, educação ... entre outros de qualidades da militância politica Anarquista em inserção social.
O Estado Anarquista nasceu com o movimento da democracia brasileira onde muitos fundaram a Resistência Popular junto a setores da centro esquerda brasileira entre outros aderiram ao MDB e fundaram o PMDB, depois se dividiram e fundaram o PSDB e na terceira divisão viraram uma tendência pro LULA Presidente, estes no caso os filhos e netos do Estado Anarquista.
Atualmente Fundaram a FASP como nível Jurídico Anarquista.

Anarquismo de Estado


Jogada pro Vila Penteado, o Furrer Anarquista

O Anarquismo de Estado se qualifica pela estrategia ou pelas ações dos Anarquistas em Movimento por assim dizer; Movimento Anarquista em ações conjunturais de qualidade.
O Anarquismo surfa na onda do momento indo ou vindo de carona junto com os Movimentos Sociais de caráter diversos como dos Movimentos de caráter culturais ou reivindicações de Direitos Sociais e ainda na atualidade como Anarquismo EMO.





segunda-feira, 30 de julho de 2012

Comedia de Piratas Anarquistas - BR


Enquanto isto na vida Real de Maluco Beleza;

Rock o Santinho dos Italianos referendado e reverenciado na Galeria do Rock na Avenida 24 de Março , Centro de São Paulo Capital ficou rico mora agora em uma cobertura de 03 andares, este Palmeirense Prometeus disse ao REI Edward agora esta tudo em família, ganhando o Corinthians ou o Palmeiras, melhor você estudar códigos e símbolos, como quem tem dinheiro para falar isto ao REI Corintiano Edward, em mais uma jogada suja tipica de Palmeirense, pois o REI Corintio joga limpo e comprometendo porque não tem dinheiro.
Malicia ou Malizia joga o mestre Cebolinha na novela real dos associados ao Anarquismo de Estado, uma Ana Negra de Pele Branca e outra Ana Branca de pele Negra na jogada cognitiva.

Deuses andam no avião do Santos dudu Motta;

Piratas de Vênus Afrodite tem programa na televisão com lindas atrizes pornos. Se Vênus a Loira foi amada pelo REI Inglês Edward e foi prostituída pelos Italianos, a Lua a Morena não consegui reconhecer os diferentes grupos aqui no Brasil e fez feio na casa da Inglaterra querendo governar o REI Edward, um homem que reconhece somente uma única autoridade divina e não a deles que falam nos ouvidos Bíblicos deste REI que o negou por princípios éticos de grupo, raça, credo, classe e por condições gerais de existência. Jogo sujo que o REI isoladamente trava em luta praticamente sozinho em meio ao clã da pornografia Brasileira de Eros (aquele pedófilo), 
que quer ir neste Barco Pirata chamado SEXO.

domingo, 29 de julho de 2012

A Fênix Anarquista renasce das duas inteligencias unidas

Globalizar a Resistência Popular
Mate aqueles que te governam
Mate seus pais, seu namorado, seu professor
Não Permita que controlem você
O Nacional Anarquismo é Internacional
Agora é só fazer um Movimento Internacional de Capitais se passando por turistas e discutir menos politica, porem com a tarefa de resgatar os espíritos que geram crescimentos econômicos
e compreender a antropologia diferenciada destes mencionados Pivôs Anarquistas.




O Anarquista do Estadão - A Catredal EMO

O Anarquismo EMO
Veio para mostrar que o cara exite
Que o REI EMO existe


Ela enfiou o punhal em seu próprio peito
 e ainda tem a cara de cachorra
 de dizer que fui eu. 
Assim não dá jogo Santo por qui.
O meu reino pertence as crianças por tal motivo tem um guri brincando de ser coroado pela munick orelhuda e estão dando meu nome as escolas e universidades.
Do outro lado tem um manezão que acha poder valer a espada em casa de Anarquistas,
 digo de devotos do amor.
Se não me faltasse traição vou de aviãozinho crucificado a esta ascensão aos céus deste simbolo da paz bem no centro nervoso desta minha Catedral de cabelos emos estilo coringa enquanto o riquinho Bat (em) Mim.


quinta-feira, 26 de julho de 2012

Morreu pela Anarquia !



Alguém vai ter que morrer por isto então !
 E assim edificamos um novo Edifício estilo de mais moderno.
Oh o Eduardo é do Clã do Brasil e tem o nome de seu clã aqui na Praça como Praça da Educação.
Ah tem o Aírton também é muito mais rico só não tem os títulos que o
Santinho da Maria tem em Sant"Ana.
Faz o seguinte o Aírton morre e o Eduardo vive, o Aírton vira bonecos do Eduardo no Shopping Dudu "D"e retiramos o nome do Clã da Educação da Praça de Sant"ana e colocamos o nome da Margarida no lugar, pois o Eduardo fez um gool de figurinha do lanchinho do Donald no peixe Israel, e fica muito evidente que é ele o Anarquista do Estadão, pois logo vão saber que é o Eduardo o 1º de Maio e que o Anarquismo são textos do seus trabalhos escolares
de quando ele foi para o interior do Estadão.
Bom a jogada " Terra e Liberdade " junto ao MST já foi feita no meio de um território de celulas nazista os " Filhotes do Brasil ", agora somos todos SP Punk e os Anarco-Punks um setor SP Punk e a UMP uma união geral do Movimento Punk sem distinção
 regional de identidade Punk local.
Foi mexendo com " VUDU " que pegamos o Aírton e fizemos dele o Seninha.

A Conspiração Punk em São Paulo psicografada pelo espirito do medion do meio.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Escravos Bíblicos


Escravos de Jô cantavam no programa de T.V.
Faziam e desfaziam tudo que Jô manda fazer e desfazer
Tira, poem, deixa ficar, assim tá bom, assim não tá, faz assim
Esta tudo mundo fodido por aqui, de novo no Jô assim se gama
De novo TV foi o STREIEDGE que chegou na Historia Sem Fim
Mais 15 minutos de fama e mais 30 minutos para os comerciaiss

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Viva a Sociedade Alternativa - Viva Santo Edu Chaves

Por fa(vo)r sejam mais inteligentes
 Torres Gemeas é o 11 o trem do jaçanã
Presidente Negro Americano - o diabo da os toques
Origem da Bandeira do Anarquismo
Estamos Lutando contra forças muito fortes e necessitamos de mais claresa por parte da militância Anarquista
Necessitamos de muito maiestrategia

Resistência Cultural


A muito tempo na divisão entre Anarquista e Marxista que originou a
 1º e a 2º Internacional a questões da elite esclarecida dividiu o grupo
 que hoje já alcançou o numero de 12º Internacional.
Os camarada na maioria estudantes vinhão nos peguntar sobre definições como "Trabalho", porem o Anarquismo não é uma ciência ou um grupelho intelectual de definições. Por tal situação não existe resposta exata a esta e estas perguntas.

O Anarquista Josefht Prodhon escreveu os primeiros livros sobre Anarquismo e Economia, porem nos Anarquistas não somos Marxistas, e nem queremos transformar a luta de classes em definições cientificas.

Os Anarquistas são os devotos de Vênus ou seja do amor
por tal situação são anti autoritários.
Para fugir das perseguições religiosas se associaram as Igrejas na maioria Católicas e o nome de Sant'Ana foi dado em sincretismo de Resistência Cultural.

Peço parem de querer transformar o amor em ciência.



Por favor sejam mais Inteligentes
Porque eu já estou virando um filho velho e cansado
O Batman é aquele que bate em mim


Atenciosamente Cartola Punk

segunda-feira, 16 de julho de 2012

FASP e FAESP

  • Bandeira Negra da CAOS 
    Confederação do Anarquismo Organizado Socialmente

    A FAESP esta sendo construída para propor uma organização forte e ativa a nível estadual, unificando todos Anarquistas do Estado de São Paulo que estejam interessados.

    Grupos Anarquistas, Mutualistas, Coletivistas e Comunistas serão igualmente bem-vindos ao debate, desde que sejam LIBERTÁRIOS, ou seja Anarquistas. Isso ja demonstra que há grande diversidade de opiniões, então peço que haja respeito entre os membros. Assim mostramos que é possível convivência sem coerção, e por isso temos que dar o exemplo.

    OBS: Mais uma vez reafirmando: Comunistas LIBERTÁRIOS, da linha de Bakunin, Malatesta e Kropotkin. Marxistas não são bem vindos. Anarco-Capitalistas também não.

    Nossos principais ideais estão listados abaixo (não necessariamente serão compartilhados por todos, há muitas visões diferentes para abarcarmos todas, mas costumam ser os centrais):

    1) Abolição da propriedade privada da terra, das matérias-primas e dos instrumentos de trabalho – para que ninguém disponha de meio de viver pela exploração do trabalho alheio, e que todos, assegurados dos meios de produzir e de viver, sejam de fato independentes e possam associar-se livremente, uns aos outros, no interesse comum e conforme as simpatias pessoais.


    1-2) FAESP vê como motor revolucionario os Movimentos Sociais com esta orientação, bem como as cooperativas criadas pela gestão direta dos trabalhadores.


    2) Abolição do governo e de todo poder que faça a lei para impô-la aos outros: portanto, abolição das monarquias, repúblicas, parlamentos, exércitos, polícias, magistraturas e toda instituição que possua meios coercitivos.


    2-2) A FAESP se orienta pela formação de uniões, associações e federações coordenadas, com o objetivo da formação do Poder Popular emanado da politica horizontal e federativa.


    3) Organização da vida social por meio das associações livres e das federações de produtores e consumidores, criadas e modificadas segundo a vontade dos membros, guiadas pela ciência e pela experiência, liberta de toda obrigação que não derive das necessidades naturais, às quais todos se submetem de bom grado quando reconhecem seu caráter inelutável.


    3-2) A FAESP reconhece esta forma econômica como Auto gestão sócio econômica ou nível sócio econômico do Anarquismo.


    4) Garantia dos meios de vida, de desenvolvimento, de bem-estar às crianças e a todos aqueles que são incapazes de prover sua existência.


    4-2) Garantia social a nível jurídico econômico do Estado.


    5) Guerra a todas as mentiras religiosas, mesmo que elas se ocultem, sob o manto da ciência. Instrução científica para todos, até os graus mais elevados.


    5-2) Formação da identidade religiosa local e cultural, com base no individuo anárquico;


    5-3) Formação de uma Filosofia e Ciência do Poder Popular, onde as palavras são exatamente o que ali estão escritas, fortalecendo os laços cognitivos da formação do consciente coletivo das comunidades e da valorização do processo cultural destes na construção da base filosófica de sua Religião.


    6) Guerra ao patriotismo. Abolição das fronteiras, fraternidade entre todos os povos.


    6-2) Pela busca internacional de alianças entre povos e fóruns internacionais de aproximações culturais.


    7) Reconstrução da família, de tal forma que ela resulte da prática do amor, liberto de todo laço legal, de toda opressão econômica ou física, de todo preconceito religioso.


    7-2) Resgate dos valores religiosos da família e expunção da escoria imoral que destrói a Utopia Familiar.


    8) Formação Politica Especifica em níveis seletivos de afinidades, para ampliação do nível do conciênte politico religioso Anarquista, afim de preparar Anarquistas e camaradas para assumirem responsabilidades em níveis diversos.


    8-1) Entendimento do papel histórico do individuo Anárquico como pivô do processo somático federativo organicista.


    9) Educação Libertaria para liberação do papel hitorico do individuo em sociedade Anarquista;


    9-2) Educação Politico Libertaria para compreensão do Anarquismo não só como objetivo, mais também como caminho em construção da Utopia Anarquista.


    10) Reconhecimento da nessecidade de um nível especifico dos Anarquistas como protagonistas da ação politica ideológica e das comunicações de nível Estado Anarquista e da situação conjuntural especifica e geral.


    10-2) Bem como a compreensão e reconhecimento da existência de tendencias, turmas, grupos, níveis, esferas, estruturas e super estruturas da qual faz parte a formação politica de discernimento do especifismo anarquista e da FAESP/FASP como Anarquismo de São Paulo.


    11) Reconhecimento da FASP (Federação Anarquista de São Paulo) como setor Jurídico de representação da FAESP.


    11-2) Reconhecimento de que na Geografia Paulista se faz a leitura em "SOMA" do projeto da FASP, qual chamamos " O ANARQUISTA DO ESTADÃO ".


    12) Reconhecimento que de entendimento a FAESP como Federação Anarquista do " ESTADO de São Paulo ", só membros Anarquistas do Estado SP ou em melhor entendimento que só membros do ESTADO de SP que são Anarquistas falam em nome da FAESP através do Secretario Geral da FASP.


    12-2) Segue em ESTATUTO DA FASP EM SITE: www.fasp-br.org e anexo no final deste texto.

  •  

    13) Ponto Ultimo; se entende por Anarquistas os devotos de Vênus Afrodite reunidos pelo sincretismo religioso no nome da princesa Judia ANA que se tornou uma das Santas do Catolicismo.

    13 -2) Se adota como bandeira Anarquista as cores vermelhas e Negras da Ordem do Rei Inglês Edward, um dos amores da princesa Ana. 

    14) A FAESP adota o Catavento de 05 pontas nas cores Vermelho e Negro como simbolo do Pentagrama da FAESP




    Anexo: Estatuto da FASP


    ESTATUTO SOCIAL DA
    FEDERAÇÃO ANARQUISTA DE SÃO PAULO
    Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005.




    ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

    A Federação Anarquista de São Paulo, neste estatuto designada, simplesmente, como FASP e ou Associação, fundada em data de 26 de Julho de 2008, com sede nesta capital Cidade de São Paulo do Estado de São Paulo é uma associação de direito privado, constituída por tempo indeterminado, sem fins econômicos, de caráter organizacional, político, social, educacional e cultural, sem cunho partidário, com a finalidade de atender a todos que a ela se dirigirem, independente de nacionalidade, sexo, raça, cor ou crença religiosa. 

    ARTIGO 2º - SÃO PRERROGATIVAS DA ASSOCIAÇÃO:

    No desenvolvimento de suas atividades, a Associação observará os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, economicidade e da eficiência, com as seguintes prerrogativas

    I. A finalidade da Federação Anarquista de São Paulo é estimular, apoiar promover
    nos meios populares e principalmente, entre associações comunitárias onde
    estudantes e trabalhadores, estejam com possibilidades de cultura e educação
    limitadas por toda espécie de empecilhos, o estudo de todos problemas que se
    relacionam com a questão social. 

    II. Mantendo-se à margem de qualquer política partidária, a Federação Anarquista
    de São Paulo trabalhará para desenvolver nos meios populares o espírito de
    solidariedade de classe, para que se forme um ambiente social onde se alimente,
    sempre em maior grau, os elementos favoráveis à elevação da personalidade 
    humana física e moralmente, cultural e profissionalmente e; por isso, condena 
    todas as formas de tiranias, que prejudiquem as liberdades individuais e coletivas; 
    todas as formas de exploração que anulam as possibilidades econômicas para o 
    desenvolvimento do individuo dentro da coletividade próspera e livre; todas as 
    formas de obscurantismo, que contribuam para o embrutecimento do indivíduo; 
    todos os vícios, hábitos e costumes que concorrem e que levam para o relaxamento 
    do caráter e para a corrupção moral e física da personalidade humana; por fim 
    apostamos, na grande qualidade e no forte potencial do desenvolvimento da 
    personalidade humana na historia. 

    Parágrafo Primeiro - de acordo com essas finalidades, a Federação Anarquista de São Paulo desenvolverá sua obra usando principalmente, dos seguintes meios, visando interessar não somente seus associados, mas os estudantes e trabalhadores em geral: 

    a) Promover ou auxiliar a realização de conferências, palestras comentadas e encontros em sua sede ou em outros locais públicos como associações comunitárias, escolas, universidades, grêmios e ou entidades de estudantes, sindicatos de trabalhadores e associações populares de fins específicos; 

    b) Organizar cursos de aperfeiçoamento em cultura, educação, esporte, profissões e de formação política, bem como cooperar com iniciativas que tenham por fim a fundação, manutenção ou desenvolvimento de espaços sociais e escolas populares de orientação solidária; 

    c) Fundar biblioteca comunitária em sua sede e sucursais constituída, principalmente, de obras e publicações periódicas que tratem de questão políticas, sociais, econômicas e correlacionadas;

    d) Promover ou auxiliar exposições artísticas, científicas e profissionais de alcance popular; 

    e) Promover ações políticas e sociais para o desenvolvimento humano, cultural, econômico, social e ambiental;

    f) Fundar um Jornal da Federação Anarquista de São Paulo;

    g) Promover outras iniciativas que se tornem necessárias para o desenvolvimento da obra do Federação Anarquista de São Paulo e que estejam de acordo com seus princípios e orientações;

    h) Auxiliar a fundação de núcleos com igual finalidade em bairros e em outras cidades, estabelecendo com os mesmos e com as entidades já existentes uma obra em conjunto;

    i) Incentivar a fundação de outras entidades de iguais fins; 

    j) Construir uma Confederação do Anarquismo Organizado Socialmente, em âmbito internacional;D

    Parágrafo Segundo - Para cumprir suas finalidades sociais, a Associação se organizará em tantos núcleos quantos se fizerem necessários, em todo o território nacional, as quais funcionarão mediante delegação expressa da matriz, e se regerão pelas disposições contidas neste estatuto e, ainda, por um regimento interno aprovado pelo Congresso. 

    ARTIGO 3º - DOS COMPROMISSOS DA ASSOCIAÇÃO

    A Associação se dedicara às suas atividades através de seus administradores e associados, e adotará práticas de gestão administrativa, suficientes a sua gestão, de forma individual ou coletiva, de qualquer forma, em decorrência da participação nos processos decisórios, e suas rendas serão integralmente aplicadas em território nacional, na consecução e no desenvolvimento de seus objetivos sociais.

    ARTIGO 4º – DAS INSTANCIAS DELIBERATIVAS

    São órgãos deliberativos da associação:
    I. Congressos.
    II. Conselhos.
    III. Núcleos.



    ( Artigo 5º ao 32º Parte Estatutaria interna


    pertencente 

    somente aos Membros Filiados )


    ARTIGO 33º – DAS MATRIZES HISTÓRICAS 

    A Federação Anarquista de São Paulo reconhece como identidade de classe os movimentos de caráter comunitários horizontais, as uniões democráticas estudantis, as ligas de trabalhadores com base nos princípios do sindicalismo revolucionário, os movimentos populares de caráter libertário, os setores e movimentos de gênero, e de juventude autônomas.

    Parágrafo Único – A federação Anarquista de São Paulo, reconhece como matriz histórica, a luta de classes e as luta contra a opressão, tendo como mártires e internacionais os movimentos que constituíram em torno dos dias 1º de Maio, dos trabalhadores, o 8º de Março, da mulheres, o 19 de abril, dos Índios, o 20 de novembro, da Consciência Negra, e o 28 de junho, dia do orgulho do povo do Arco – Íris. 

    ARTIGO 34º - DAS CORES E SÍMBOLOS

    A Federação Anarquista de São Paulo adota como símbolo uma bandeira com 3 (três) cores;

    I. Bandeira Vermelha e Negra com um corte divisório em diagonal, com a cor vermelha acima e a cor negra abaixo.
    II. Nome FASP escrito em letras Brancas.

    Parágrafo Único – Os núcleos poderão eleger seu nome e símbolo local desde que se utilizem nestes a bandeira e as cores da associação.

    ARTIGO 35º – DO RECONHECIMENTO DE NÚCLEOS

    A Federação Anarquista de São Paulo reconhece até o momento somente o núcleo 1º de maio.

    ARTIGO 36º- DO DOMÍNIO NA INTERNET

    A Federação Anarquista de São Paulo reconhece até o momento somente o sitio www.fasp-br.org, como sitio oficial do núcleo 1º de maio, podendo e ou aceitando outros sítios como colaboradores.

    Parágrafo Único
    – O domínio do sitio ficara no nome do Secretário Geral qual devera administralo.

    ARTIGO 37º - DAS OMISSÕES

    Os casos omissos no presente Estatuto serão resolvidos pela Comissão Gestora, " ad referendum " do Congresso.

    ARTIGO 38º – DA FUNDAÇÃO

    Por fim fica fundada a Federação Anarquista de São Paulo na capital do Estado de São Paulo, em 26 (vinte e seis) de julho de 2008 (dois mil e oito).


    Mais Informações:
    Contato Oficial:
    E-mail: fasp-caos@riseup.net
    Lista: fasp@lists.riseup.net 
    Sitio: www.fasp-br.org
    Blog: http://nucleos-fasp.blogspot.com/
    Correio:
    FASP
    Cx. P. 12067
    Cep: 02013-970
    Santana
    São Paulo - SP-Brasil

Anarquismo EMO - Entrevista FAESP



Vocês são muito Inadequados ?

R:
Muitos nos dizem que nos Anarquistas EMO's somos inadequados.
Mais respondemos que Inadequados são aqueles que não se adequam. Quem vivem em um mundo fechado longe da esfera cultural de outros grupos e sempre vêem estranheza nos outros, mais o E.T. sempre quis voltar para sua própria casa e não transformar a casa dos outros em sua. Entender é a melhor forma de ser entendido. Já te falamos que o nosso Anarquismo nada tem a ver com a FAU, FAG ou FAO. Nosso Anarquismo é EMO.


Aqui sou apenas um bit. O emprego dos termos casa, dos outros e estranheza denotam duas características: propriedade e alteridade. Com relação a propriedade, no que faz menção a terra, eu a considero um roubo social; a alteridade é quando o outro está em questão. É preciso o contato com o outro para a consciência de si. Neste contexto é que surge a ideia de identidade, ou melhor, de reflexionismo. No mais, tenho noção de que nossas concepções, em alguns aspectos são contrárias. Porém, não são irreconciliáveis. Sobre as siglas citadas: não tenho nada com nenhuma delas, embora tenha conhecimento de suas plataformas políticas. Afinal de contas navegar é preciso;

R:
Vamos lá camarada Márcio Alex Leme, O Anarquismo EMO é o Anarquismo no nome de nosso Santo REI Edward considerado por nos como o único Anarquista ou primeiro Anarquista por outros membros do Anarquismo EMO. A Bandeira Vermelha e Negra é uma Ordem Religiosa Gótica Romana criada por nosso REI, bem como o Especifismo não pertence a FAU e sim aos Ingleses, pois é um método criado por Edward um príncipe maçom como Kroptikin e outros. O que estamos dizendo é que o Anarquismo é derivado das escolhas politicas do Santo REI Inglês Edward e na tabela a Inglaterra o único pais Anarquista. Estamos dizendo que o Anarquismo é propriedade do REI Edward e na tabela da Inglaterra. Nossa alteridade é que somos Monarquistas e esta é a nossa identidade. Nosso programa como monarquistas é restabelecer pela Bandeira Vermelha e Negra a volta da Monarquia Anarquista Mundial. A Volta do REI, a volta de Cristo.

Resposta continuada...
Camarada de sempre Márcio Alex Leme, você sabe me dizer qual o único animal que não morre no campo ? Te digo é o Cavalo, só apanha para trabalhar ... Esta é uma Revolução de Trabalhadores, derivada pelas consequências da Revolução industrial Inglesa, pois eva foi deixada na pobreza e resolveu só dar ( libera amor emoyu ) para os trabalhadores, digo fazer o retorno da evolução ou seja a revolução dos trabalhadores. Nossa linguagem é sim religiosa pois REI quer dizer Radical Ed da Igreja e ainda da Inglaterra. Isto é Revolução dos Bixos desta Universidade Anarquista. É para Trabalhar pois neste Club de Xadrez emo o ultimo a morrer é o porco e o cavalo morre enquanto trabalha acreditando na liberdade. Esta é uma historia que nos Ingleses vivemos. Viva eternamente o Primeiro de Maio, o nosso herói Popular escondido por traz de um disfarce de um repórter dos fanzines Punks.